Breve Breve
Curitiba
Irati
São José dos Pinhais
Guaratuba
Foz do Iguaçu
Imbituva
Matinhos
Terra Roxa
Piraquara
Piraí do Sul
Iporã
Araucária
São Pedro do Ivaí
Prudentópolis
Lapa
Antonina
Morretes
Fazenda Rio Grande
Colombo
Bocaiúva do Sul
Contenda
Jandaia do Sul
Kaloré
Ortigueira
Paranaguá
Guaraqueçaba
Cascavel
São Mateus do Sul
Apucarana
Pitanga
 
 
  Cadastre seu e-mail e receba notícias do Deputado
 

Mais Buscadas

Notícias
Imprimir Enviar Contato
CCJ amplia alcance das restrições à exploração de gás de xisto pelo método de fraturamento hidráulico

 O projeto de lei nº 873/2015, assinado por sete parlamentares e instituindo moratória de dez anos para licenciamento de exploração do gás de xisto no Paraná pelo método do fraturamento hidráulico (fracking), mais uma vez foi o que mobilizou os debates na reunião da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa do Paraná no início da tarde desta terça-feira (14). A matéria tinha parecer favorável do relator, deputado Tiago Amaral (PSB), quando foi analisado na semana passada. O deputado Nereu Moura (PMDB) pediu vista e hoje apresentou um voto em contrário, na forma de um substitutivo geral, ajustando o texto ao que tramita em Brasília, de autoria do deputado federal Sarney Filho (PV-MA).

Desta forma, em vez de moratória de dez anos, o texto define cinco anos de suspensão, prorrogáveis por mais cinco, se estende às empresas que por ventura já detenham a outorga para exploração, e ainda substitui termos em inglês por termos em português que mais se aproximem. Por ser considerado mais completo que o texto original, assinado pelos deputados Schiavinato (PP), Rasca Rodrigues (PV), Fernando Scanavaca (PDT), Marcio Nunes (PSD), Marcio Pacheco (PPL), Guto Silva (PSD) e Cristina Silvestri (PPS), e por economia processual, a comissão aprovou o voto em separado de Moura.

Transporte gratuito – Foi aprovado também o projeto de lei nº 230/2015, de autoria do deputado Jonas Guimarães (PSB), determinando o transporte gratuito em linhas coletivas intermunicipais aos idosos com idade igual ou superior a 60 anos. O texto, ao qual estão anexados outros de teor idêntico assinados pelos deputados Ney Leprevost (PSD), Professor Lemos (PT), Nelson Luersen (PDT), Nereu Moura, Felipe Francischini (SD) e Tião Medeiros (PTB), recebeu parecer contrário do primeiro relator, deputado Tiago Amaral, rejeitado pelamaioria. Foi então designado um novo relator, o deputado Gilson de Souza (PSC), que apresentou parecer favorável com emenda substitutiva geral, visando corrigir vícios de inconstitucionalidade.

Outra proposição que provocou intensos debates foi aprovada na sessão desta terça: o projeto de lei nº 938/2015, de autoria do deputado Alexandre Guimarães (PSD), obrigando hospitais, clínicas, consultórios e similares a informar aos pacientes em tratamento de câncer que a reconstrução da mama retirada é feita de forma gratuita nos hospitais públicos do Estado.

Também motivo de controvérsias, o projeto de lei nº 938/2015, assinado pelo deputado Guto Silva teve destino diverso e foi rejeitado. O texto pretendia instituir cadastramento de senha para a emissão de conta detalhada de serviço móvel celular, pré ou pós-pago, bem como o cadastramento de uma senha pessoal e intransferível para assegurar o direito à privacidade e sigilo das informações.

Entre as propostas aprovadas estão ainda a emenda de plenário ao projeto de lei nº 239/2016, da Defensoria Pública, concedendo o índice geral de 9,28% para a revisão geral anual nas tabelas de vencimentos básicos e subsídios das carreiras dos servidores do órgão; a emenda da Comissão de Educação ao projeto de lei nº 643/2015, do deputado licenciado Artagão Júnior (PSB), alterando a Lei nº 11.662/1997, que torna obrigatório aos estabelecimentos de ensino das redes pública e privada, de 1º, 2º e 3º graus, o abono de faltas de alunos motivadas por princípio de consciência religiosa. O projeto modifica também a Lei nº 16.653/2010, determinando que as provas e demais avaliações, atividades referentes a concursos públicos e vestibulares, em qualquer de suas fases, não se realizem aos sábados; e a proposição de veto total do Poder Executivo ao projeto de lei nº 542/2015, de autoria do deputado Paulo Litro (PSDB), tratando de notificação aos órgãos de segurança pública, pela rede de saúde, do atendimento de pessoa ferida.

Fonte: Assessoria de Imprensa Alep.

Fotos: Pedro de Oliveira - Alep. 

14/06/2016
« Notícia anterior
Deixe sua opinião
 
Nome:
E-mail:
Opinião:
 
 
Mais Notícias CCJ
 
24/08/2016
-
CCJ aprova subdivisão de projeto do Executivo que trata do Processo Ad
23/08/2016
-
Fatiamento do projeto de gestão administrativa e tributária do Estado
16/08/2016
-
CCJ adia votação de projeto que dá continuidade a ajuste fiscal do Pod
10/08/2016
-
CCJ aprova emenda a projeto que define normas para licitações, contrat
02/08/2016
-
CCJ aprova projeto que regulamenta criação e funcionamento de Frentes
20/07/2016
-
Balanço da CCJ fecha com 299 proposições discutidas e votadas ao longo
19/07/2016
-
CCJ aprova emenda a projeto que institui o "Alerta Amber" no Paraná
13/07/2016
-
CCJ aprova criação de cargos em comissão para o Centro Cultural Teatro
12/07/2016
-
CCJ faz sessão extraordinária nesta quarta-feira (13) para votar proje
05/07/2016
-
Após duas semanas de debates CCJ rejeita projeto proibindo o uso do am